sexta-feira, maio 29, 2009

ALGUNS CRISTÃOS NÃO CRÊEM MAIS EM CONVERSÃO!


 

Queridos(as),


 

Eu acho incrível como os cristãos atuais não crêem mais na conversão de algumas pessoas. Inúmeras vezes eu sou advertido para não perder o meu tempo com fulano ou beltrana. Para muitos, parece que Deus nunca está incluído no futuro e que algumas pessoas são imutáveis. Esse sentimento está permeado de tal forma no inconsciente coletivo dos cristãos que raríssimos são os que esperam que o melhor aconteça.

Outro dia correu mundo afora a notícia de um provável cisma entre Edir Macedo e um dos bispos da IURD. Observando os comentários em vários sites e comunidades, ditas cristãs, eu só vi elucubrações de que o tal cisma talvez tenha ocorrido porque um tentou "passar a perna" no outro.

Por que o motivo da cisma entre Macedo e esse bispo não pode ser o fato dele (o Macedo ou o bispo) ter tido uma experiência real com Jesus Cristo e ter entendido e crido que o tempo da barganha acabou e que não se compra o favor de Deus com dinheiro ou com sacrifícios?

Por que não contamos com a possibilidade que algum deles possa ter tido uma experiência profunda com Deus?

Se vivêssemos nos dias de Saulo de Tarso, esperaríamos que ele se transformasse no apóstolo Paulo?

Duvido!

Ora, Paulo era ligado a uma religião que nega que o sacrifício de Jesus Cristo cobriu os nossos pecados e, ele próprio participou da caça e do apedrejamento de vários cristãos.

Não contamos com a possibilidade que Deus possa operar um milagre como esses porque, na verdade, nem oramos pra que gente como Macedo e iguais a ele se convertam ao Evangelho de Jesus.

Denunciar a perversão que eles fazem do Evangelho é uma coisa.

Condená-los ao Inferno, já, é uma prerrogativa que Deus não me deu.

Por isso oro e peço a Deus para que eu também não seja contaminado pela presunção de achar que algumas pessoas são imutáveis e que, por essa razão, elas podem ser objetos de nossas ofensas mais infames.


 

Abcs Bento Souto

Um comentário:

Palavra disse...

O rei Asa serviu ao Senhor durante 35 anos, mas no 36o. se afastou do Senhor, preferiu acreditar nos médicos a confiar no Senhor. Existem pessoas que julgam a conversão com o tempo de vida de inclusão numa denominação. Enchem o peito e dizem "tenho anos de igreja". Não se acredita na conversão quando o proselitismo, o legalismo, a idolatria denominacional, tomou conta da visão, na qual Deus escolheu homens e não anjos para confrontarem a reliadade do trapo humano que somos, ante o amor misericordioso que ultrapassa, não somente séculos, mas barreiras denominaciois, culturais e étnicas. Isso não quer dizer que nos acomodemos a contemplar a realidade e nos contentemos com engodos, mas pelo contráiro, precisamos estar abertos as mais diferentes possibilidades do agir de Deus. No dia da grande "colheita" sim, é do exame final. E alí não estará meu jeito de fazer igreja, meu estilo conservador e ortodoxo... O que vai valer é a minha consciência se foi capaz de provocar mudanças na minha vida terrena, pautada no caráter de Deus.