quarta-feira, julho 13, 2011

A VELHINHA ADÚLTERA


Ela tinha 77 anos de idade. Ele tinha 81. Eles formavam o casal de adúlteros mais idoso que eu já vi em toda a minha vida. Quando eles entraram no apartamento em que eu estava, e eu vi que ela caminhava com o apoio de uma bengala, constatei que o engano produzido pelo coração humano não se limita aos jovens.

Modifiquei os dados que porventura pudessem identificar quem eles são para preservá-los. No entanto, a história que você lerá a seguir foi testemunhada por mim e por várias pessoas.

Tudo começou há mais de 50 anos quando eles eram jovens e se conheceram. Ela era uma moça muito bonita e suas fotos foram estampadas em muitos jornais e revistas da época. Ele também era um moço bonito e viajava pelo mundo por causa de sua profissão. Eles tiveram um namoro curto e ele mudou de cidade deixando-a para trás. Na nova cidade ele casou e teve filhos. Depois, ele mudou de cidade de novo e vieram os netos. Ela permaneceu na mesma cidade. Também casou e teve filhos e netos.

Mais de cinqüenta anos se passaram até que ele recebeu um telefonema dela. Ela estava prestes a ter um braço amputado e queria encontrá-lo antes da cirurgia. Ele consentiu e ela viajou até a cidade em que ele estava morando sob a desculpa de consultar um médico especialista. Quando eles se encontraram ela disse que não se passou um dia sequer sem que pensasse nele. Disse também que ele era o amor da vida dela. Foi durante o terceiro dia visita dela que eu os vi chegando ao apartamento de um parente dele. Mais tarde, quando ela retornou para o hotel onde estava hospedada, nós saímos e ele me contou toda a história sem que houvesse perguntado nada.

Ouvi tudo que ele me contou. Como trabalhava com medicamentos, à época, perguntei se ela estava precisando de algum medicamento para disfunção erétil. Ele me disse que havia sido operado de um câncer de próstata e que, como conseqüência, não tinha mais nenhuma ereção. Portanto, tudo que eles faziam era conversar o dia todo. Só que ele não agüentava mais tanta conversa e nem ouvir ela mentindo para o marido que queria saber onde ela estava e o que estava fazendo.

Muitas foram as conclusões que eu tirei daquilo tudo. Contudo, a mais importante para mim foi que ninguém conhece o que se passa no íntimo de outro ser humano. Sempre me pego imaginando a felicidade de todos os familiares nas Bodas de Ouro dela e do marido/pai/avô. Penso em todos olhando para ela e vendo nela um exemplo maravilhoso a ser seguido.

Por isso tudo que lhes contei é que eu concordo cada dia mais com a escritura que diz:

"...porque o SENHOR não vê como vê o homem. Pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o SENHOR olha para o coração"


 

Bento Souto

http://blogdobento.blogspot.com/

blogdobento@hotmail.com

2 comentários:

Rodrigo Feijó disse...

Que essa mulher cometeu traição, não resta dúvida. Só não sei qual a maior, se foi contra o marido, agora, no fim da vida, ou contra o próprio coração, durante a vida toda!

blessed disse...

Muito interessante como a vida é.